Pietro, o Inquieto.


Para meu venerável mestre Nuno Costa Santos.


Pietro era inquieto de profissão. Já veio ao mundo diplomado, e era portanto o orgulho da família. Não há quem nasça pasteleiro ou delegado, que são coisas que vão se aprendendo. Mas a faculdade de inquietação vem de dentro. De dentro da barriga da mãe, ao que se acredita. E os inquietos, como todo mundo sabe, têm a tarefa de dar sentido às coisas. Há os burocratas, que só lidam com as placas de trânsito, dando sentido às ruas. Há os geográficos, que cuidam de rios e marés ou determinam o bailar das bússolas - isso de Norte e Oeste é ideia deles. Enquanto os cosmólogos ditam o fluxo das estrelas. E há o Pietro, que há décadas tenta dar sentido à vida. Julgo que só não o conseguiu porque as pessoas que lhe orientaram nisso estavam todas erradas. Ai, juro que se um dia ele me perguntar, ai, que eu juro, se um dia ele me perguntar, eu bem que lhe vou dizer que à vida tanto lhe faz se vai pra frente ou pra trás. A vida não tem sentido, a vida tem é sentir.


2 comentários:

Paulo Vitor Cruz disse...

e quem é o mestre? fiquei curioso agora..

Bi M. disse...

O mestre é o escritor e outras coisas mais, Nuno Costa Santos.

Essa figura aqui:

http://www.youtube.com/watch?v=Qw6ENz2aNYU&feature=related